Soul – Crítica

 

Soul é o mais recente esforço da Disney Pixar, um filme belo e maravilhoso que deixará qualquer um a ponderar sobre a vida, o seu valor e a magia inerente à existência.

 

O filme narra a história de um homem, que acidentalmente cai numa vala e “morre”. Contudo, este não aceita a sua morte e começa numa jornada dentro do próprio além até se conseguir reunir com o seu corpo, em coma na terra. 

 

Para um filme infantil, Soul é surpreendentemente profundo, talvez até demasiado profundo, especialmente para uma criança. O filme toca em variados temas existenciais, desde propósito ao significado da vida, e fará com que nos percamos em pensamentos sobre a nossa própria vida.

 

banner-1

 

As personagens são uma maravilha, principalmente os protagonistas, pois estão completos de complexas camadas que nos proporcionam todo o tipo de sentimentos. As vozes que as trazem à vida fazem um excelente trabalho em fazer transparecer todas as emoções que passam por elas. 

 

No que toca à animação, mais uma vez a Pixar se excede e traz-nos um filme que é uma obra arte viva, cada frame um lindo quadro de cores e movimento que se estende por duas horas. É realmente mágico visualizar a vida no pequeno ecrã, o realismo em algumas das cenas irá deixar o público realmente boquiaberto. 

 

banner-2

 

Os mais pequenos, contudo, poderão não perceber a complexidade do filme, e este não sinto que seja propriamente o filme mais divertido que lhes fará prestar atenção em 100% das cenas, muito devido ao facto de não ser necessariamente tão energético como muitos dos mais vistos filmes de animação dos últimos anos. É contudo, uma valiosa lição que está presente no filme, e deixar que as crianças a tentem compreender será a escolha certa a fazer quanto à visualização de Soul

 

No seu todo, este esforço da Pixar vale a pena, é maravilhoso, lindo e comovente. A verdade é que dei por mim a reavaliar toda a minha vida e a ponderar sobre o facto de tempo ser dinheiro, porque na verdade, tempo é vida.

 

rating-9-10

9/10 – Escrito e Avaliado por Fábio Fonseca

Deixe uma resposta